Chapecoense ganha homenagem em amistoso com Barcelona

Partida solidária no Camp Nou festeja sobreviventes de acidente aéreo envolvendo clube catarinense. Com placar de 5 a 0 para o time catalão, jogo marca retorno de Alan Ruschel, um dos jogadores a sobreviver à tragédia.


Clubes disputavam o Troféu Joan Gamper, organizado anualmente pelo Barcelona

O clube catalão Barcelona recebeu a Chapecoense nesta segunda-feira (07/08), no estádio Camp Nou, para uma partida amistosa em homenagem às vítimas do acidente aéreo que matou quase todos os jogadores e comissão técnica do clube catarinense em 29 de novembro de 2016, na Colômbia.

Os dois times disputavam o Troféu Joan Gamper – uma competição amistosa organizada anualmente pelo clube espanhol, que no ano passado convidou a Chapecoense para participar da disputa. Ao fazer 5 a 0, o Barcelona levou o troféu, numa partida cujo resultado era o que menos importava.

Três jogadores que sobreviveram ao acidente aéreo participaram da homenagem. O zagueiro Neto e o goleiro Jackson Follmann, que teve uma das pernas amputadas no desastre, deram o pontapé inicial. Ambos seguem afastados dos gramados em decorrência dos ferimentos causados pela tragédia.

O jogo marcou, por outro lado, o retorno do lateral Alan Ruschel, que permaneceu em campo durante 36 minutos nesta segunda-feira. Antes de ser substituído por Guerrero, o jogador se ajoelhou no gramado e elevou as duas mãos aos céus – um gesto que o levou a ser ovacionado pela torcida.



Em entrevista à emissora Globo no intervalo da partida, Ruschel descreveu o jogo contra o Barcelona como "um sonho realizado". "Pude mostrar para o treinador e para o mundo inteiro que estou pronto para voltar a competir. Hoje o resultado é o que menos importa", afirmou o jogador.

Outro sonho, segundo Ruschel, foi a troca de camisa com o craque argentino Lionel Messi. "Troquei com o Messi. Mais um sonho, o baixinho me deu a honra de trocar a camisa com ele. Estou feliz."
Três dos cinco gols da partida foram marcados ainda com o lateral em campo. O primeiro foi aos 5 minutos, por Gerard Deulofeu – que substituiu Neymar após a transferência do brasileiro para o Paris Saint-Germain –, o segundo, aos 10, por Sergio Busquets, e o terceiro, aos 27, por Messi.

No segundo tempo, o time catalão ampliou aos 9 minutos com o uruguaio Luis Suárez, e fechou a conta com o atacante Denis Suárez aos 28 minutos. Aos 44, o goleiro Artur Moraes defendeu um pênalti cobrado pelo atacante espanhol Paco Alcácer, evitando que a Chape sofresse o sexto gol.

Não nos gramados, mas nas cabines, a partida foi narrada por mais um que escapou com vida da tragédia no ano passado: o jornalista Rafael Henzel, da emissora de rádio Oeste Capital FM.
Esta foi a 40ª vez, em 52 edições, que o Barcelona conquistou o título do Troféu Joan Gamper. Entre 1966 e 1996, a competição amistosa era disputada entre quatro times e, desde 1997, acontece em jogo único. O objetivo tradicional é servir de marco para o início da temporada do campeonato espanhol. O Brasil ergueu a taça apenas uma vez, em 1982, com o Internacional.

Além da homenagem à Chapecoense, o jogo marcou a primeira partida do Barcelona sem Neymar, transferido para o francês PSG na semana passada.
O time catalão volta a entrar em campo no próximo domingo (13/08), na primeira partida da disputa da Supercopa da Espanha contra o Real Madrid, no Camp Nou. Já a Chapecoense joga contra o Palmeiras, no Allianz Parque, no domingo seguinte (20/08).

O acidente aéreo envolvendo o clube catarinense aconteceu em 29 de novembro do ano passado, perto de Medellín, na Colômbia, matando 71 pessoas, entre atletas, comissão técnica, jornalistas e tripulantes. A aeronave levava a equipe à cidade colombiana para disputar a primeira partida da final da Copa Sul-Americana de 2016. Após o desastre, a Conmebol declarou o time campeão do torneio.

 

 

 


fonte: DW
EK/ap/dpa/efe/ots
Spanien Fußball Freundschaftsspiel - FC Barcelona und Chapecoense (Getty Images/AFP/J. Lago)