Ochsenhausen é superado e Calderano fica com o vice da Bundesliga

Equipe do brasileiro tentava o bicampeonato, mas acabou sendo batida pelo Saarbrücken, que não vencia o torneio desde 1989

Desta vez, não deu para Hugo Calderano. Primeiro brasileiro a vencer a Bundesliga, a liga alemã de tênis de mesa, em 2019, ele acabou ficando com o vice-campeonato desta vez. O clube dele, o Liebherr Ochsenhausen, perdeu a final para o Saarbrücken, por 3 a 1, neste domingo (14), na Fraport Arena, em Frankfurt.

Calderano jogou dois confrontos do duelo. Perdeu para o alemão Patrick Franziska por 3 sets a 2 (3/11, 11/6, 10/12, 11/9 e 10/12) e para o chinês Shang Kum, por 3 a 0 (9/11, 6/11 e 9/11). A partida teve transmissão ao vivo do canal da CBTM na TVN Sports, além de transmissão em TV aberta para toda a Alemanha.

Equipe do Saarbrücken celebra o título seguindo protocolos sanitários. Foto: BeLa Sportfoto/Bundesliga

Calderano, sexto colocado e melhor não asiático no ranking mundial de tênis de mesa, ajudou o Ochsenhausen a conquistar o título alemão em 2019, após 16 anos de jejum, exatamente contra o Saarbrücken. Desta vez, a quebra de jejum aconteceu do outro lado, já que o clube adversário do brasileiro não conquistava a Bundesliga desde 1989.

O brasileiro foi o primeiro escalado para o duelo decisivo, contra o alemão Patrick Franziska, 16° do ranking mundial de tênis de mesa, e que dominou completamente o primeiro set, vencendo por 11 a 3. Na segunda parcial, Calderano foi bem mais agressivo e encaixou seus principais golpes, empatando o confronto.

Com boa variação, o brasileiro se encaminhava para uma boa vitória no terceiro set. Chegou a abrir 10 x 8 e teve dois set points, mas permitiu a virada. Na quarta parcial, ele começou mal e chegou a estar perdendo por 4 a 0, mas conseguiu a virada. No quinto set, Franziska confirmou a vitória pela diferença mínima, marcando o primeiro ponto para o Saarbrücken.

No segundo confronto, o francês Simon Gauzy não conseguiu impor seu jogo contra o chinês Shang Kun, perdendo por 3 a 1 (8/11, 7/11, 11/9 e 10/12), e deixando as coisas ainda mais complicadas para o Ochsenhausen. No terceiro jogo, o polonês Jakub Dyjas precisava vencer o esloveno Darko Jorgic para manter o clube do brasileiro vivo no duelo. Conseguiu uma importante vitória, por 3 a 1 (11/9, 12/10, 12/14 e 11/3).

Calderano voltou para a mesa para enfrentar Shang Kum, mas encontrou imensa dificuldade. Fez um bom jogo no primeiro set, caiu na segunda parcial e começou mal na terceira, obrigando o técnico Dimitrij Mazunov a pedir tempo. O brasileiro ainda tentou buscar o resultado, mas não obteve êxito e o adversário garantiu o título. “O Saarbrücken foi melhor na decisão e mereceu o título”, reconheceu o brasileiro, após a final.

Pouco antes do confronto, em participação na transmissão do canal CBTM da TVN Sports, o consultor técnico da CBTM e treinador pessoal de Calderano, Jean-René Mounié, revelou como foi a preparação do brasileiro no início da pandemia: “A estratégia era bem clara, com uma forte preparação física nos primeiros dias. Mesmo assim, é complicado manter a parte técnica. Ainda há falta de ritmo em fundamentos como o saque e recepção, que foram percebidos no início da semifinal”.

Protocolo

Um rigoroso protocolo foi estabelecido pela organização da Bundesliga para a realização dos jogos finais do torneio, com uma série de ajustes, inclusive no sistema de disputa dos confrontos. Em vez de jogarem uma melhor de três para definirem os finalistas e o campeão, foi realizado um único confronto, sem partidas de duplas. Não houve cumprimento entre os atletas durante os jogos, nem troca de lado na mesa. Os duelos foram realizados sem a presença de público no ginásio.

 

 

 


Fonte: Confederação Brasileira de Tênis de Mesa (CBTM)

Saúde & Bem Estar

More Articles

Tecnologia

More Articles