Alckmin é indiciado pela PF por suspeita de corrupção e lavagem de dinheiro

Ex-governador de São Paulo é acusado de receber recursos ilegais da Odebrecht para campanhas eleitorais em 2010 e 2014. Defesa afirma que Alckmin não foi ouvido durante as investigações.

Brasilien Präsidentschaftskandidat Geraldo Alckmin (Agencia Brasil/F. R. Pozzebom)
O ex-governador de São Paulo Geraldo Alckmin (PSDB) foi indiciado pela Polícia Federal (PF) nesta quinta-feira (16/07) por suspeita da prática de crimes de corrupção passiva, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica eleitoral.

O indiciamento ocorre no âmbito de investigação da Operação Lava Jato, iniciada pela PF a partir das delações premiadas de executivos do Grupo Odebrecht. Um diretor da empreiteira disse ter repassado mais de R$ 10 milhões, via caixa 2, para campanhas eleitorais de Alckmin em 2010 e 2014.

Além das delações, o indiciamento tem como base prova pericial nos sistemas de informática do Grupo Odebrecht, análise de extratos telefônicos, obtenção de conversas por aplicativo Skype e ligações telefônicas, análise de documentos indicando a prática de cartel no Metrô de São Paulo e no Rodoanel.

Agora, caberá ao Ministério Público de São Paulo decidir pela apresentação de denúncia contra o ex-governador. O MP ainda pode pedir novas diligências ou decidir pelo arquivamento do caso.

A investigação tramita na Justiça Eleitoral de São Paulo. Em 2018, quando renunciou ao governo de São Paulo para concorrer à presidência, Alckmin perdeu o direito ao foro privilegiado reservado aos chefes de executivos estaduais. Desde então, a investigação saiu do Superior Tribunal de Justiça.

Além de Alckmin, foram indiciados pelos mesmos crimes Marcos Antônio Monteiro, tesoureiro da campanha de Alckmin e também seu ex-secretário de Planejamento; e o advogado Sebastião Eduardo Alves de Castro.

Em nota, o PSDB se pronunciou sobre o caso. "Governador quatro vezes de São Paulo, quase cinco décadas de vida pública, médico, Geraldo Alckmin sempre levou uma vida modesta e de dedicação ao serviço público. É uma referência de correção e retidão na vida pública. Tem toda a confiança do PSDB", afirmou o partido, em nota assinada pelo presidente nacional, Bruno Araújo.

Já Alckmin, disse em entrevista à CNN Brasil que não foi ouvido durante as investigações.

"Quem está na vida pública tem por dever prestar contas cotidianamente", afirmou Alckmin. "As minhas campanhas tanto de 2010, de 2014 e agora, em 2018, foram rigorosamente dentro da lei."

Já os advogados do ex-governador afirmaram, em nota, que o indiciamento é precipitado.

"O ex-governador sequer foi chamado a prestar esclarecimentos que poderiam ter evitado o seu indevido e imerecido indiciamento. Por meio desta nota, além de expressar a sua indignação e reiterar o seu compromisso com os princípios de seriedade, transparência, probidade e modéstia pessoal com que sempre procurou atuar na vida pública, confirma a sua confiança na verdade, que haverá de prevalecer", declarou a defesa.

 

 

 

 


fonte: DW
JPS/ots/ab

Notícias, Dicas & Informações de Santa Catarina

More Articles

Curiosidades da história

More Articles

Tecnologia

More Articles