Dinamarca planeja ilhas artificiais para expandir Copenhague

Complexo de nove ilhas deve abrigar empresas e ficar pronto em 2040. Governo espera atrair 380 novos negócios e criar 12 mil empregos com expansão territorial. Proposta precisa ser aprovada pelo Parlamento.

Futuras ilhas em Copenhague devem aumentar território da capital em 3 milhões de metros quadrados

O governo da Dinamarca anunciou nesta segunda-feira (07/01) que planeja construir nove ilhas artificiais para expandir o distrito industrial de Copenhague e atrair investimentos.

A construção das ilhas está prevista para começar em 2022 e terminar em 2040. A expansão aumentará em 3 milhões de metros quadrados o território da capital do país.

Com o projeto, o governo espera atrair até 380 novos negócios e criar 12 mil empregos, adicionando mais de 8 bilhões de dólares à economia.

"Ficaremos mais fortes na competição internacional para atrair negócios, investimentos e mão de obra qualificada. Isso poderia contribuir para o crescimento e o desenvolvimento não somente da região da capital, mas de toda a Dinamarca", afirmou o ministro dinamarquês do Interior, Simon Emil Ammitzboll-Bille, em comunicado.

"Acho que a área poderia se transformar numa espécie de Vale do Silício europeu", afirmou o presidente da Câmara do Comércio da Dinamarca, Brian Mikkelsen, em entrevista à emissora TV2.

Segundo o ministro de Negócios, Rasmus Jarlov, o governo espera que o projeto seja autofinanciado por meio da venda de terrenos nas ilhas. Ele destacou que ainda há uma demanda para a produção de produtos do cotidiano e falta de espaço para isso.

De acordo com a proposta, uma das nove ilhas abrigará uma usina que transformará o lixo produzido na capital em biogás, limpará águas residuais e armazenará energia limpa gerada por moinhos de vento. As demais ilhas serão destinadas a indústrias. Para sair do papel, a proposta precisa do aval do Parlamento.

Copenhague está espalhada sobre as duas principais ilhas que formam o país, Zelândia e Amager, e já teve seu território ampliado diversas vezes com a construção de pequenas ilhas artificiais. Em outubro do ano passado, o governo propôs a construção de uma ilha perto do porto da capital, com o objetivo de abrigar 20 mil moradias.

 

 

 

 

 

 


fonte: DW
CN/afp/rtr