Apps para rastrear covid-19, um empreendimento arriscado

Na tentativa de conter a pandemia, países do mundo todo se apressaram em desenvolver aplicativos para rastreamento digital de contatos. Mesmo entre os que não fracassaram, a eficácia ainda é uma incógnita.

Corona-Warn-App da Alemanha apresentou problemas técnicos

O desenvolvimento de um aplicativo bem-sucedido para rastreio da covid-19 tem sido considerado uma espécie de Santo Graal contra a pandemia, desde sua eclosão, em março de 2020. Numerosos países desenvolveram seus próprios aplicativos na esperança de aprimorar o rastreamento de contatos digitais e manter os focos sob controle, com mais rapidez e eficácia do que qualquer equipe humana de rastreadores seria capaz.

Contudo, como o conceito de um software móvel para conter uma pandemia nunca havia sido testado, muitas perguntas permanecem sem resposta, seja quanto à tecnologia, eficácia, funcionalidade ou – possivelmente acima de tudo – a ética de tais aplicativos. Claro está que não é um negócio fácil.

O Corona-Warn-App, da Alemanha, parecia estar fazendo progressos razoáveis: segundo o Instituto Robert Koch (RKI), até 24 de julho o aplicativo fora baixado 16,2 milhões de vezes no país, o equivalente a 20% da população. No entanto, isso foi no mesmo dia em que o jornal tabloide Bild revelou que, por cinco semanas, o aplicativo provavelmente não tinha funcionado adequadamente para milhões de usuários.

A fim de economizar energia, alguns sistemas operacionais Android bloquearam a execução do aplicativo em segundo plano, o que significa que sua principal função – enviar um alerta ao usuário se encontrasse alguém que testou positivo para o vírus – pode não ter funcionado. O Ministério da Saúde alemão assegura que o problema foi resolvido. No entanto, esse está longe de ser o único exemplo de aplicativo de covid-19 que teve problemas.

Diferentes graus de sucesso

Ainda não está claro como medir o sucesso no negócio de aplicativos de covid-19, e talvez nunca esteja. Apesar de obviamente o número de downloads em relação ao tamanho de uma população representar uma métrica-chave, isso tudo se invalida caso o programa apresente problemas de funcionalidade ou não seja considerado confiável.

E esmo com um programa que funcione bem e tenha grande aceitação numa determinada população, para muitos especialistas em rastreamento de contatos não é fácil estabelecer o papel preciso que um aplicativo vai desempenhar na contenção das taxas de infecção.

Por exemplo, aqueles que não armazenam dados num local centralizado podem funcionar muito bem, mas não havendo autoridade central com os dados, não há como dizer exatamente quantos cidadãos foram avisados com êxito sobre o risco de infecção.

Em termos de pura quantidade de downloads, o aplicativo Aarogya Setu da Índia é o campeão. Em abril, ele só estava atrás de pesos-pesados tecnológicos como Zoom, TikTok, Facebook, WhatsApp, Instagram e Messenger, entre os dez aplicativos mais baixados do mundo. De acordo com dados da consultoria de aplicativos móveis Sensor Tower, ele teve mais de 127 milhões de downloads até meados de julho, atingindo a marca de 100 milhões 40 dias após seu lançamento.

Acontece que a Índia tem uma população de mais de 1,3 bilhão. Com menos de 10% de adesão, é de aproximadamente 1% a chance de duas pessoas que fizeram o download entrarem em contato.

O aplicativo também enfrentou muitas críticas. Sob o título Covid Tracing Tracker, a revista Technology Review, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, começou a publicar uma série de avaliações de vários programas de rastreamento de todo o mundo, classificando-os de acordo com cinco critérios principais, alocando uma estrela para cada um. O Aarogya Setu obteve apenas duas estrelas, por não ser voluntário para milhões de usuários, não limitar o uso dos dados coletados e coletar mais dados do que precisa.

No entanto, em comparação com a China e os Estados Unidos, que ladeiam a Índia no ranking mundial de populações, o software indiano não se saiu tão mal assim. O sistema chinês, por exemplo, carregado nas plataformas Alipay e WeChat, não é totalmente transparente em termos de funcionamento, nem de como são utilizados os dados que armazena.

Apesar de número de downloads respeitável, eficácia do indiano Aarogya Setu é questionável

Questão de tamanho – e confiança

Por sua vez, a Exposure Notification API é uma interface de programação criada numa parceria entre a Apple e a Google, que já está sendo usada em diversos países. Nos EUA, as autoridades de saúde dos diferentes estados podem desenvolver softwares específicos a partir dela, não existindo um aplicativo nacional único. Entretanto, até agora apenas poucos estados se comprometeram a desenvolver seu próprio aplicativo usando a tecnologia Apple-Google.

Há indícios de que países com populações menores têm tido uma taxa mais alta de adesão coletiva de tais aplicativos. Na Islândia, com seus menos de 400 mil habitantes, mais de 40% fizeram o download do Rakning C-19 no mês após seu lançamento.

A Irlanda, com população de 5 milhões, também deu sinais de sucesso: oito dias após seu lançamento, no início de julho, o Covid Tracker já fora baixado por 1,3 milhão de usuários, transformando-se no app com mais downloads per capita da Europa. A empresa por trás dele, Nearform, está agora em negociações com o departamento de saúde da Pensilvânia e outros estados americanos interessados.

Embora países do mundo todo tenham desenvolvido aplicativos, sobretudo na Europa, nem todas as nações severamente afetadas pela pandemia conseguiram lançar o seu. O governo do Reino Unido tem sido fortemente criticado por sua resposta à crise do coronavírus, registrando mais de 45 mil mortes, uma das taxas mais altas do mundo, tanto em termos absolutos quanto per capita. O aplicativo britânico também apresentou dificuldades e acabou virando alvo de fortes críticas.

Desde março, o Reino Unido planejava desenvolver um software de rastreio de covid-19 para o serviço nacional de saúde NHS, mas até agora ele não saiu. Em junho, devido a dificuldades técnicas, a versão britânica foi abandonada em favor do uso do sistema Apple-Google. Até o momento, porém, não se sabe quando ou se o Reino Unido lançará um aplicativo.

 

 

 


fonte: DW

Curiosidades da história

More Articles