O conhecimento contra o comodismo.

“Dê um peixe a um homem faminto e você o alimentará por um dia. Ensine-o a pescar, e você o estará alimentando pelo resto da vida.”

Hoje vou contar a vocês um fato a meu respeito que poucas pessoas conhecem.
E que se identifica com esse provérbio chinês de Lao-Tsé que gosto muito.

Meu pai foi um homem exemplar.
Teólogo, sociólogo e filosofo, herdou várias outras habilidades como a arte de pintar bons quadros, o dom da escrita, era também um bom músico e um eterno poeta.
Foi pescador durante muitos anos, foi também caminhoneiro, percorreu o mundo e o nosso Brasil inteiro.
O velho tinha história para contar.
Não havia nada que ele não soubesse fazer ou que não pudesse aprender.
Passados seus 60 anos de idade cultuava uma parede inteira de certificados, medalhas e troféus. E quando o carro quebrava? Não tinha problema, era mecânico! Eletricista, carpinteiro, era o famoso faz tudo e marido de aluguel de muita gente que desprovia das suas habilidades, o velho entendia tudo de construção civil, na qual eu fiz parte durante muitos anos da minha infância quando trabalhava com ele como pedreiro.
Apesar dos “coleguinhas” tirarem sarro, eu me sentia orgulhoso ao chegar em casa todo sujo de cimento, e até hoje acho uma profissão digna.
Poucos dias antes do meu pai descobrir o câncer e falecer, eu e minha esposa tínhamos ido almoçar com ele.
Era domingo quando ele veio todo bobo me mostrar uma serra esquadria que havia comprado.
Eu sempre fui muito fã de ferramentas ainda mais quando eram elétricas.
Lembro que naquele momento eu fiz um pedido a ele, pedi que quando ele partisse dessa vida, que me deixasse de herança suas ferramentas, era tudo o que eu queria.
E assim foi feito!
Com o passar dos dias, algumas pessoas me disseram para vender as ferramentas e ganhar um dinheiro com elas, já que tudo o que herdei foram apenas as ferramentas velhas de meu pai.
Pensamento normal de alguém que acha que tudo gira em torno de dinheiro.
O que essas pessoas não sabem é que herdei em cada ferramenta uma história, herdei pequenos momentos, pequenas lembranças de quando trabalhávamos juntos e o mais importante: Herdei conhecimento e sabedoria.
Hoje eu não exerço a profissão de pedreiro mas posso ganhar dinheiro prestando serviços a outras pessoas, como posso economizar dinheiro prestando serviços a mim mesmo.
E muitas daquelas pessoas que me diziam para vender as ferramentas dele, hoje me pagam para instalar um chuveiro, arrumar um portão, levantar alguns tijolos.
Não se acomode terceirizando conhecimento, é muito melhor adquirir e aprender do que pagar alguém para fazer aquilo que muitas vezes você não aprende a fazer por falta de interesse ou vontade.
Eu poderia ter herdado dinheiro, mas o dinheiro corrompe o homem, eu gastaria e um dia acabaria.
Decidi herdar conhecimento e sabedoria, algo que vou levar comigo para o resto de minha vida e que homem nenhum poderá arrancar de mim.
Meu pai não investiu em mim financeiramente, mas investiu  bons conselhos, uma excelente educação e ótimos ensinamentos, e espero muito poder me tornar um dia metade do homem que ele foi em vida.
Invista em você, invista em conhecimento, invista em sabedoria.
Pois a sabedoria e o exemplo será a melhor e a mais valiosa herança que você deixará um dia para seus filhos e que homem nenhum arrancará.

José Sergio Ramos Vieira – 29/06/1954 – 11/04/2017

 


FOTOS: AndreMansur
Arquivo pessoal Willian Daviny